9 de março de 2008

Dia Internacional da Mulher - A história real

Ontem eu escrevi algumas linhas sobre o Dia Internacional da Mulher e, lendo a revista História Viva, descobri que a história se deu de uma forma um cadinho diferente. Leiam o artigo de Maíra Kubík Mano, que é jornalista e mestrando em Ciências Políticas da PUC-SP.


Conquistas na luta e no luto
Ao contrário do que ressalta o imaginário feminista, o 8 de março não surgiu a partir de um incêndio nos Estados Unidos, mas foi fruto do acúmulo de mobilizações no começo do século passado
por Maíra Kubík Mano

Se as operárias russas do início do século XX recebessem bombons e flores em comemoração ao Dia da Mulher, talvez se sentissem ofendidas. Afinal, quando os protestos do dia 8 de março foram deflagrados, o que elas queriam mesmo eram melhores condições de trabalho. Não agüentavam mais as jornadas de 14 horas e os salários até três vezes menores que os dos homens.

Na época, as fábricas dos países desenvolvidos, que fazia pouco mais de um século haviam passado pela Revolução Industrial, estavam atulhadas de homens, mulheres e crianças. O movimento operário reagia à exploração desenfreada organizando protestos, muitos com cunho socialista. Entre as reivindicações, o fim do emprego infantil e remuneração adequada. A igualdade de gênero, porém, nunca era pautada. Por mais que as trabalhadoras argumentassem, sua renda era vista como complementar à do marido ou pai, e um pedido de salários iguais parecia afetar as “exigências gerais”. É nesse contexto de eclosão popular, sindical e feminista que surge o Dia Internacional da Mulher.


Os Estados Unidos foram, sem dúvida, um dos palcos dessa luta. Desde meados do século XIX, os operários organizavam greves para pressionar os proprietários das indústrias, principalmente as têxteis. Em terras americanas foi registrado o primeiro Dia da Mulher, em 3 de maio de 1908. Segundo o jornal The Socialist Woman, “1.500 mulheres aderiram às reivindicações por igualdade econômica e política no dia consagrado à causa das trabalhadoras”. No ano seguinte, a data foi oficializada pelo partido socialista e comemorada em 28 de fevereiro. Em Nova York, reuniu cerca de 3 mil pessoas em pleno centro da cidade, na ilha de Manhattan.

A celebração foi mais um dos elementos no caldo político que irrompeu na greve geral dos trabalhadores do vestuário, em sua maioria mulheres jovens, em novembro de 1909. A paralisação durou 13 semanas e provocou o fechamento de mais de 500 fábricas de pequeno e médio portes. As condições de trabalho, no entanto, não melhoraram muito. Os proprietários das indústrias continuavam forçando o cumprimento de jornadas massacrantes. Para evitar que seus empregados saíssem mais cedo, boa parte deles trancava as portas durante o expediente e cobria os relógios de parede.

Em 1911, ocorreu um episódio marcante, que ficou conhecido no imaginário feminista como a consagração d
o Dia da Mulher: em 25 de março, um incêndio teve início na Triangle Shirtwaist Company, em Nova York. Localizada nos três últimos andares de um prédio, a fábrica tinha chão e divisórias de madeira e muitos retalhos espalhados, formando um ambiente propício para que as chamas se espalhassem. A maioria dos cerca de 600 trabalhadores conseguiu escapar, descendo pelas escadas ou pelo elevador. Outros 146, porém, morreram. Entre eles, 125 mulheres, que foram queimadas vivas ou se jogaram das janelas. Mais de 100 mil pessoas participaram do funeral coletivo.

Até hoje, muitas organizações e movimentos afirmam que essa tragédia aconteceu em 1857 e por isso reivindicam o mês de março como a data para comemorar a luta pelos direitos das mulheres. Como não há provas nem registros de que um evento similar tenha ocorrido, essa versão não é considerada verdadeira. Para os estudiosos, esse foi apenas mais um acontecimento que fortaleceu a organização feminina.

De fato, o Dia Internacional da Mulher já havia sido proposto em 1910, um ano antes do incêndio, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas, realizada em Copenhague, Dinamarca. Clara Zetkin, militante e intelectual alemã, apresentou uma resolução para que se criasse uma “jornada especial, uma comemoração anual de mulheres”. A inspiração nas trabalhadoras do outro lado do Atlântico é explícita: para Clara, elas deveriam “seguir o exemplo das companheiras americanas”.

ORIGEM REVOLUCIONÁRIA

Sem data definida, mobilizações anuais pelos direitos das mulheres prosseguiram em meses distintos, em diversos países. Em 8 de março de 1917, uma ação política das operárias russas contra a fome, contra o czar Nicolau II e contra a participação do país na Primeira Guerra Mundial precipitou os acontecimentos que desencadearam na revolução de fevereiro. O líder Leon Trotsky registrou assim esse evento: “Em 23 de fevereiro (8 de março no calendário gregoriano) estavam planejadas ações revolucionárias. Pela manhã, a despeito das diretivas, as operárias têxteis deixaram o trabalho de várias fábricas e enviaram delegadas para solicitarem sustentação da greve. Todas saíram às ruas e a greve foi de massas. Mas não imaginávamos que este ‘dia das mulheres’ viria a inaugurar a revolução”.

A situação econômica e política da Rússia era então insustentável. Mais de 90 mil pessoas marcharam, exigindo pão e paz. Os protestos e as greves subseqüentes culminaram na queda da monarquia. Alexandra Kollontai, uma das principais dirigentes feministas da revolução de outubro, afirmou que “o dia das operárias em 8 de março de 1917 foi uma data memorável na história”.

Em 1921, de acordo com a pesquisadora canadense Renée Coté, referência no estudo da história das mulheres, o 8 de março foi estabelecido como data oficial. Pesquisando arquivos da Conferência Internacional das Mulheres Comunistas, ela encontrou um documento que registrava que “uma camarada búlgara propôs o Dia Internacional da Mulher, lembrando a iniciativa das mulheres russas”.

Com as duas guerras mundiais que se seguiram, o Dia da Mulher ficou em segundo plano. Foi apenas na década de 60 que o movimento feminista retomou com força as comemorações, em meio a leituras de O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir, e à fogueira de sutiãs nos Estados Unidos.

A LUTA NOS TRÓPICOS

No Brasil, nesse mesmo período, a direita e a esquerda tensionavam o cenário político. Manifestações como a Marcha da Família com Deus e pela Liberdade, com propostas absolutamente opostas às das feministas, que pregavam a legalização do aborto, precipitaram o golpe militar de 1964 e dificultaram a ascensão das organizações de mulheres. Movimentos contra a carestia, pela anistia e clubes de mães, cuja pauta central não era a libertação da mulher, ganharam as ruas.

Mesmo assim, havia uma história de luta reivindicada pelas brasileiras, similar à européia e à americana. No início do século XX, as mulheres e crianças constituíam quase 75% dos operários têxteis. Além de péssimas condições de higiene e longas jornadas de trabalho, elas sofriam com o assédio constante de seus patrões e também tentavam se organizar. Em 1906, o jornal anarquista A Terra Livre divulgou um texto de três costureiras que criticavam a não-adesão da categoria à greve operária: “Companheiras! É necessário que nos recusemos a trabalhar também de noite porque isso é vergonhoso e desumano. Como se pode ler um livro quando se vai para o trabalho às 7 da manhã e se volta para casa às 11 da noite?”, dizia. Essas passagens, ligadas principalmente às anarquistas, ainda são pouco conhecidas em nossa trajetória. A vertente que ganhou mais notoriedade no feminismo brasileiro foi a das sufragistas, que lutaram pelo direito a voto. Fundadoras do Partido Republicano Feminino, essas mulheres da elite nacional conseguiram sua reivindicação na Constituição de 1932, promulgada por Getúlio Vargas.

Resultado de todo esse processo, em 1975 comemorou-se o Ano Internacional da Mulher e, em 1977, a ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu o 8 de março como Dia Internacional da Mulher. Fruto de décadas de batalhas e séculos de opressão, a data que lembra a necessária igualdade entre homens e mulheres foi mundialmente – e finalmente – assegurada.


* Artigo todo copiado, sem tirar nem pôr, daqui!


7 comentários:

Amigao 9 de março de 2008 17:57  

Li tudinho acredita? Boa hitória. De parabéns a mulher que conquista seu próprio espaço.Parabéns inclusive a minha chefe que trabalha menos que eu e ganha mais que o dobro.
Beijão do amigão.

Paty Maionese 9 de março de 2008 19:40  

Não tive paciência de ler a última parte, mas cheguei quase.
Anyways, parabéns para todas nós again.
Ganhei até presentinho. Fiquei tão feliz =D

Lara 9 de março de 2008 21:53  

Oi! Achei seu blog muito fofo! Muitas coisinhas legais e textos interessantes! Quando o meu blog crescer (e eu dominar melhor o HTML) eu quero que ele seja assim, cheio de penduricalhos bacanas! :D
Sobre o dia da mulher... Já ouvi diversas vezes essa história do seu post passado (sobre o incêndio em uma fábrica com operárias dentro), mas parece que a origem do dia foi meio que "programada", já qu tinha bastante gente reivindicando por ele!
Das duas, uma:
Ou a História tenta esconder essa origem "sangrenta", ou alguém inventou tudo aquilo pra dar mais emoção à data.
Bem, o importante é que com o passar dos anos muitas coisas foram conquistadas por nós, mulheres (e muito ainda há de ser!)

Beijos e parabéns pelo blog!

Anônimo,  3 de março de 2009 07:42  

Li gostei isso prova que as mulheres valer tudo na vida que as mulheres nao so mulher de casa como elas valem ouro parabens mulheres valeu apena tem seu dia voces valem ouro voces a a tassa do mundo.....valeu mulheres...tem acletidado que um dia chaga seu dia parabens mulheres....

Anônimo,  7 de março de 2009 10:49  

O dia internacional da mulher tem que ser lembrado porque, nao é so porque aconteceu isso e porque a mulher é muito mais importante do que o homem.............
Sou mulher com muito orgulho

Bruna,  8 de março de 2009 21:52  

Parabéns a todas aquelas que buscam seu lugar na sociedade de uma maneira lúcida, proporcional e madura. Vaias àquelas que desejam competir com os homens EM TUDO, inclusive se tornando um deles.

Que este dia seja comemorado apenas pelas verdadeiras mulheres e não por aquelas que são tão inseguras que precisam se associar, apenas por sua condição sexual, as que obtiveram êxito em algo para se sentirem alguém nesta vida.

Anônimo,  12 de março de 2009 17:58  

eu quero saber a historia real mesmo, o dia a hora e como td aconteceu d forma abreviada...
bejO...tô precisando muito deste texto...

Postar um comentário

Anda, desembucha!

Minha lista de blogs

Para divulgar o blog

LinkLog Está no seu 

momento de descanso né? Entao clique aqui! Colmeia: O melhor dos blogs Link-Me Vagabundiando

  ©Template Blogger Writer II by Dicas Blogger.

SUBIR